19.9.13

Programa Eleitoral do PS Estrela

Já se encontra disponível para consulta pública o Programa Eleitoral e a lista completa da equipa «Juntos Fazemos a Estrela», liderada por Luís Monteiro.
Contendo vários nomes conhecidos nas actuais freguesias, o destaque vai para a presença de João Tiago Silveira a nº 2.

              

A candidatura do PS faz suas mais-valias a experiência e a diversidade.
Apostado em criar uma executivo sólido e ambicioso para os próximos 4 anos, Luís Monteiro afirma-se como um candidato à Junta de Freguesia per si, recusando serem estas eleições apenas um degrau para outros vôos. É seu objectivo "criar uma Estrela aberta, mais solidária, mais viva, mais dinâmica".

Sendo bem mais concreto neste folheto do que havia sido aquando da sua apresentação, conseguem-se já antever algumas das medidas de facto a implementar no caso de ser bem sucedido nas próximas eleições.

   

Ao nível dos Espaços Verdes e Públicos, para além de garantir uma coordenação eficaz com a CML, surgem promessas de francas melhorias do parque desportivo da Estrela, como a criação de um circuito de manutenção na Tapada das Necessidades ou a instalação de tabelas de basquetebol em locais cuja viabilidade o permita.

Do ponto de vista da Solidariedade, o alargamento do trabalho realizado em Santos-o-Velho a toda a nova freguesia é uma prioridade, sendo pontos como o transporte solidário e a criação de um Número Grátis 24h de apoio aos cidadãos considerados fulcrais.
Forte aposta igualmente no alargamento e consolidação da Comissão Social de Freguesia, a qual actualmente não existe na Lapa.

Destaque também para o factor Participativo, com a criação de um Conselho Consultivo composto por cidadãos no sentido de acompanhar criticamente o trabalho do executivo, bem como com a institucionalização de uma plataforma online onde todos poderão apresentar as suas propostas.
O Orçamento Participativo local é outra das bandeiras do PS.

  

Luís Monteiro não deixa de lado os Compromissos, que considera deverem ser claramente assumidos em períodos eleitorais, dando ênfase a 5 em concreto (supondo nós que os três outros que havia mencionado no Jardim da Estrela não se perderam, mas vêm antes englobados nas restantes linhas programáticas):

- Uma Estrela limpa;
- Manutenção de todas as actividades com sucesso nas antigas freguesias da Estrela;
- Ouvir todos os moradores, trabalhadores e estudantes da Estrela;
- Exigir mais qualidade na área da saúde no trabalho;
- Optimização dos actuais recursos humanos das 3 freguesias que compõem a Estrela.



Do nosso ponto de vista, a única promessa de todo este documento que nos levanta sérias dúvidas e questões variadas diz respeito à Reabilitação Urbana e Repovoamento da Estrela.
O assumido direccionamento para o sector turístico - opção que faria lógica em parte considerável de Santos-o-Velho mas não na generalidade da Estrela, historicamente marcada como zona de habitação - é algo que, estamos certos, virá envolto em grandes polémicas no caso de não existirem estudos de sustentabilidade devidamente elaborados e uma política de auscultação e sintonia com as pessoas.

Estranhamos igualmente a total ausência de uma menção ao actual Porto de Lisboa e à sua presença  na quase totalidade da área ribeirinha da nova freguesia da Estrela.





Artigos Relacionados
- Há guerra na Madragoa
- Apresentação da candidatura de Luís Monteiro (PS)
- Autárquicas na Estrela - Análise I