21.9.13

E se a Estrela já existisse em 2009?

Já muitos se terão certamente questionado como teria sido em 2009 se a Reforma Administrativa de Lisboa estivesse já colocada em prática.
Estabelecendo nós a priori as devidas distâncias (tendo em conta que as listas agora são diferentes e encabeçadas por outras pessoas, num contexto socio-económico também ele alterado desde as últimas eleições autárquicas), lançámo-nos à tarefa de analisar os resultados eleitorais de há 4 anos nas três freguesias, tentando juntá-los por forma a descobrirmos uma tendência e a podermos efectuar comparações directas dentro de duas semanas.

Todos os resultados eleitorais, por freguesia, com dados do CNE podem ser consultados no nosso separador 2009/2013.


Conforme facilmente se concluiria através de uma observação empírica, a vantagem histórica estará inteiramente do lado da coligação "Sentir Lisboa", com tradição nesta zona.
Afinal, tanto o executivo da Junta de Freguesia dos Prazeres como igualmente o da Lapa eram compostos exclusivamente por vogais desta força política, sendo Santos-o-Velho presidido pelo PS num contexto de executivo misto. Nada de novo, portanto, após análise matemática.

Colocámos então em prática o Método de Hondt sobre estes resultados e verificámos que, apesar do PSD/PP ter obtido mais 50% de votos do que o PS, na prática tal resultaria numa diferença quase mínima na distribuição dos vogais para a Assembleia de Freguesia.

Mais concretamente:
- PSD/PP: 7 vogais
- PS: 5 vogais
- CDU: 1 vogal


Outros dados interessantes se podem retirar deste estudo, como é exemplo o facto de os dois movimentos independentes (que concorreram apenas na Lapa e em Santos-o-Velho) terem tido mais votos em duas freguesias que o BE nas três (só tem um vogal eleito na Assembleia de Freguesia dos Prazeres).
Curiosamente também, ao nível de cada freguesia, obtiveram melhor resultados que a CDU, motivos mais que suficientes para acreditar na influência dos movimentos independentes nas eleições autárquicas.